A Bíblia de Michelangelo - Via Teológica






Poucas metáforas servem tão bem para explicar a apreciação da arte quanto a metáfora da via. Diante da obra nosso olhar escolhe vias para lê-la. Na introdução à obra "o teto da Capela Sistina" vimos a construção, por parte do artista, de diversas vias de leitura. São rotas para o olho, compostas por um artista que não entendia a pintura como uma prisão bidimencional, mas sim como um desafio: compor uma obra que, sendo pintura, despertasse no espectador a mesma sensação da escultura, a saber, a possibilidade de mudar a rota. Andando ao redor de uma escultura mudamos constantemente nosso ponto de análise, nossas conclusões sobre a obra, nossa experiência, abrindo ou fechando nosso olhar sobre o que vemos. Da mesma forma, quando o apreciador se movimenta pela capela percebe que a obra vai se mostrando diferente, como uma escultura, revelando as vias que estavam escondidas. As luzes interagem na obra como se os volumes rompessem a argamassa. Essa é a beleza da escultura e podemos desfrutar dela na pintura de Michelangelo.

A função da teopoética, se é que podemos definir assim, é ser para a teologia uma possibilitadora de vias. Trazer para a teologia a riqueza das possibilidades é retomar na teologia a sua característica primeira: estar livre para a beleza e para a apreciação da revelação.

Nenhum comentário: