Quem sou?

Quem sou? Frequentemente me dizem que
saí do confinamento de minha cela
tranquilo, alegre e firme
como um senhor de sua mansão de campo.
Quem sou? Frequentemente me dizem
que costumo falar com os guardiões da prisão confiada, livre e claramente,
como se eu desse as ordens.
Quem sou? Também me dizem
que superei os dias de infortúnio
orgulhosa e amavelmente, sorrindo,
como quem está habituado a triunfar.

Sou, na verdade,
tudo o que os demais dizem de mim?
Ou sou somente o que eu sei de mim mesmo?
Inquieto, ansioso e enfermo,
como uma ave enjaulada,
pugnado por respirar, como se me afogasse,
sedento de cores, flores, canto de pássaros,
faminto de palavras bondosas, de amabilidade,
com a expectativa de grandes feitos,
temendo, impotente,
pela sorte de amigos distantes,
cansado e vazio de orar, de pensar, de fazer,
exausto e disposto a dizer adeus a tudo.

Quem sou? Esse ou aquele?
Um agora e outro depois?
Ou ambos de uma vez?
Hipócrita perante os demais
e, diante de mim mesmo, um débil acabado?
Ou há, dentro de mim,
algo como um exército derrotado
que foge desordenadamente da vitória já alcancada?

Quem sou?
Escarnecem de mim essas solitárias perguntas minhas;
seja o que for, Tu o sabes, ó Deus: sou Teu!


Dietrich Bonhoeffer

Um comentário:

Anísia Neta disse...

Fiquei encantada com seu blog!! Realmente vc escolheu escelentes jardineiros que tecem suas palavras como cultivassem de flores!!! Vou acompanhar seu blog a partir de hoje!!! Parabéns!!!